sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Bloco de notas

Eu, habitante de mim mesma,
porto seguro de mim.
Não há quem compreenda.
A solidão é única,
(e companheira).

Nenhum comentário:

Postar um comentário